Jiu Jitsu Brésilien

Entrevista exclusiva: Buchecha analisa 1° passo no MMA

A estréia de Buchecha. Photo : Reproduction

Homem na capa da GRACIEMAG #280, Marcus Buchecha buscou novos caminhos no esporte. Depois de conquistar trezes títulos no Mundial da IBJJF, dois títulos no ADCC e inúmeras outras vitórias na luta agarrada, Buchecha migrou para o MMA, e sua estreia vitoriosa trouxe lições valiosas para o nosso leitor.

Após trocar o kimono pelas luvinhas, Buchecha conversou com GRACIEMAG e falou sobre seu início no MMA, seus treinos na American Top Team ea luta contra Anderson “Braddock” Silva no One Championship, duel que foi capa da nossa edição #280. Confira nas linhas abaixo !

GRACIEMAG : Você comentou que se sentu um faixa-branca no início (dos treinamentos), que perdia posição nas costas e outros deslizes que não eram comuns. Como fez para transformar essa angústia em motivation para evoluir?

MARCUS BUCHECHA : Foi bem frustrante no começo. Pas de Jiu-Jitsu, quando eu alcançava as costas, raramente perdia, é uma das minhas posições mais fortes. Já no MMA, como estou treinando com caras muito bons e experientes, eles defendem muito bem essa posição e fui forçado a mudar a minha abordagem. Apesar dessa frustração, tinha consciência de que, por serem esportes diferentes, não havia como transferir toda a minha experiência do Jiu-Jitsu pro MMA. Entendi que se tratava de um novo começo e essa compreensão me ajudou a manter a calma durante os meus primeiros passos nas artes marciais mistas. Já aprendi e melhorei muito, mas sigo evoluindo todos os dias. A transição foi um processo difícil, mas muito bom.

Buchecha na capa da GRACIEMAG #280. Photo : Reproduction

Qual foi o ensinamento chave que fez seu jogo encaixar novamente?

Por ainda ser praticamente um novato no esporte, acho difícil apontar um ensinamento específico. O que sinto que realmente fez a diferença foi estar ao lado de pessoas que têm o mesmo objetivo que eu. Esse foi um ponto que ajudou muito durante minha carreira no Jiu-Jitsu, meus colegas da Checkmat semper almejaram ser campeões mundiais e isso contribuía na hora do treino. Hoje, na American Top Team, o clima é o mesmo e, além disso, estou treinando bastante. No Jiu-Jitsu, por ser mais experiente, conseguia treinar um pouco menos porque já sabia como eo que treinar. Pas de MMA é différent, voltei a treinar pesado duas vezes por dia. Estou acumulando bastante tempo de tatame pour moi adapter ao esporte.

O que chama sua atenção nos treinos na American Top Team?

Lá na ATT, encontrei um monte de pesos pesados ​​treinando juntos ao mesmo tempo, coisa rara. Vi que era o local certo para mim. Só feras, caras como o Marcelo Golm, Marcos Rogério “Pezão”, Said Sowa, Jairzinho Rosentruik eo Cara de Sapato, entre outros amigos. Não vejo a hora de continuar a aprender com eles, com o Katel, o Léo Vieira, Steve Mocco no wrestling e meu preparador Diego Lacerda. O Conan Silveira, o treinador-chefe da ATT cuida bem de tudo.

Na luta contra Anderson « Braddock », o plano inicial era o norte-sul e joelhadas ?

Na verdade, não. Meu objetivo era usar o Jiu-Jitsu, que é a minha arma mais forte. Quando estava na montada, senti que ele estava muito forte, me impedindo de bater ou criar distância suficiente para tentar uma finalização. Diante daquela situação, escolhi a posição norte-sul porque vi que seria mais difícil para ele me segurar. Eu não queria levar aquela luta para o segundo round pois estaria em risco, então recorri a essa estratégia para garantir a vitória.

graciemag_assine_barra



Afficher plus

MMA Center

Récemment arrivé en France. J'ai crée ce site afin d'améliorer mon Français! Passionné de Jiu Jitu Brésilien et de MMA, j'espère que ce site vous plaira.

Articles similaires

Bouton retour en haut de la page
Fermer
Fermer